Notícias


As psicólogas dos serviços de Psicologia e Orientação continuam consigo, assegurando todas as solicitações via email ou em videoconsulta, modalidade em que podemos e sabemos ser eficazes, por isso, não hesite em marcar. Estes são momentos de stress e ansiedade e potencialmente podem agravar qualquer situação previamente existente. Já que está em casa (esperamos...) numa situação em que o tempo decorre mais devagar, aproveite para continuar ou dar início a este apoio.  

Todos os nossos psicólogos mantêm a disponibilidade para iniciar ou manter os apoios - desde que tenha um dispositivo com ligação à internet, os atendimentos de psicologia podem ser realizados, com uma dinâmica e eficácia próxima ao que acontece no regime presencial.


… O Serviço de Psicologia e Orientação

Primeiro pensei que faltava uma vista para o mar, e então, ele seria perfeito, mas depois...para quê?

Ela já cá mora! Porque aqui vivem experiências.

E aqui, vivem-se experiências. Todas as experiências. Certas. Espantosas. Diferentes. Bem medidas. Bem contadas. Daqui voam: bem sentidas, bem levadas. Importantes.

"Aqui" é um espaço, cuja vista mais incrível se tem da janela voltada para "dentro".

… e assim fica uma historia que um dia me contaram...

"Era uma vez uma pata que pôs quatro ovos.

Enquanto os chocava, uma raposa atacou-a. O ninho ficou. Por algum motivo, a raposa não chegou a comer os ovos antes de fugir, pelo que eles ficaram abandonados no ninho.

Uma galinha choca passou por ali e viu o ninho abandonado.

O seu instinto fê-la sentar-se sobre os ovos para os chocar.

Pouco depois, nasceram os patinhos e, como é lógico, acharam que a galinha era sua mãe e andavam em fila indiana atrás dela.

A galinha, contente com as suas novas crias, levou-as para a quinta.

Todas as manhãs, depois do cantar do galo, a mãe galinha esgravatava o solo e os patos esforçavam-se por imitá-la. Como os patinhos não conseguiam arrancar da terra nem uma mísera minhoca, a mamã alimentava todos os seus bichinhos, dividia as minhocas em pedacinhos e dava de comer aos filhos no bico.

Num dia como tantos outros, a galinha foi passear com a sua ninhada pelos arredores da quinta. Os seus patinhos seguiam-na disciplinadamente em fila indiana.

Mas, de repente, ao chegar ao lago, os patinhos deram um salto para a água com toda a naturalidade, enquanto a galinha cacarejava desesperadamente, implorando-lhes para saírem do lago.

Os patinhos nadavam alegremente e chapinhavam, enquanto a mãe saltitava e chorava, com medo que se afogassem.

O galo apareceu no lago, atraído pelos gritos da mãe, e analisou a situação.

- Não se pode confiar nos jovens - foi a sua sentença. - São uns imprudentes.

Um dos patinhos, ao ouvir o galo, aproximou-se da margem e disse:

- Não nos culpem a nós pelas vossas próprias limitações.

Não penses, que a galinha estava enganada. Também não julgues o galo. Não penses que os patos eram prepotentes e rebeldes. Nenhuma destas personagens está errada. O que acontece é que veem a realidade de posições diferentes. O único erro, quase sempre, é pensar que a posição em que me encontro, é a única da qual se consegue ver a realidade..."

                                                                                                                             Jorge Bucay in "Deixa-me que Te Conte"